Livro das Confissões. Vol. 2

Viewers online

PDF viewer
HTML5 viewer
ReadSpeaker Listen viewer

Download options

Adobe DRM Adobe DRM
Checkout
Available
Mode: Loan
Loan duration: 20 days
Permissions: Read
Format: PDF

SubTitle: Alcobaça, 1399
Author: Pérez, Martín
Publisher : Edições Vercial
eisbn: 9789728925147
Place of publication:  Lisboa , Portugal
Year: 2010
Pages: 575

Caption:

 O Livro das Confissões foi terminado em 1316 por Martín Pérez, um clérigo castelhano de grande cultura canónica e teológica. É uma extensa obra de cariz pastoral dedicada aos «clérigos minguados de ciência» e aos que se « acham brutos e minguados e buscam das migalhas que caem das mesas dos que são ricos de letras », como o próprio autor indica no Prólogo. Foi uma das obras que, dentro do género, mais circulou entre o clero e os intelectuais ibéricos durante o século XIV e a primeira metade do século XV. Foi traduzida para português em 1399 por monges do Mosteiro de Alcobaça, tendo chegado até nós uma cópia da primeira e terceira partes. O rei D. Duarte foi um dos seus leitores assíduos, citando-a diversas vezes no Leal Conselheiro . O Livro das Confissões é um testemunho autêntico e raro da sociedade medieval peninsular e é um documento indispensável para a compreensão histórica, cultural e social desse período histórico.
Diz o autor no Prólogo: «Rogo a ti ledor que achares em ti ciência de letras que não mordas nem desprezes esta pouca esmola tirada das santas escrituras em língua comunal. Não para ti, farto de ciência, mas para os outros famintos dela, por aqueles que não saíram ao rastrolho da escola a colher as espigas da escritura, que possam haver ao menos em suas casas os grãos do trigo limpo sem palhas e sem arestas de disputação. Onde não fica escusa aos que dizem que são fracos para trabalhar, ou rudes para aprender, ou pobres para ir buscar a ciência para si e para as outras almas salvar. Ca em este livro podem com trabalho de pouco estudo aprender da doutrina da vida para as almas salvar, quanto per estudo de letras não podem saber, ca havemos em ele o que por muitos trabalhos e por muitos anos e por muitos mestres e por muitas ciências não puderam passar.»

Back